LUAS DE HÁ MUITO SÓIS

HISTÓRICO

A montagem deste espetáculo é um desejo que foi plantado em 2011, quando as atrizes Marina Duarte e Natascha Falcão se encantaram pelo conto “As Três Irmãs”, de Mia Couto, e começaram a vislumbrá-lo para o teatro. Dentro das imagens que surgiam desse impulso, Moncho Rodriguez aparecia como maestro, orquestrando as palavras e as figuras que estavam pra nascer. Finalmente, em 2015, de uma iniciativa independente, nasceu Luas de Há Muito Sóis - realizada em residência artística na plataforma Fafe Cidade das Artes, no norte de Portugal. Trata-se de um espaço de imersão criado e conduzido por Moncho para a construção de cada detalhe de uma obra. O dramaturgo e encenador galego possui uma relação profunda com as raízes ibéricas e a cultura nordestina e, por sua vez, concebeu uma peça teatral com todas essas nuances, unificando em Luas de Há Muito Sóis a origem e mística africana, a dramaticidade ibérica, o vocabulário e os costumes nordestinos. O cenário traz a aridez de um não-lugar que poderia ser qualquer sertão brasileiro, qualquer deserto do além-mundo. Foram 45 dias de dedicação com uma rotina intensa de trabalho físico, intelectual e, porque não, emocional, na construção do espetáculo. O resultado foi apresentado no Teatro Cinema de Fafe, como mostra pública da residência das atrizes pernambucanas na plataforma Fafe Cidade das Artes. A estreia nacional de Luas de Há Muito Sóis ocorreu em janeiro de 2016, no 22o Janeiro de Grandes Espetáculos, em Recife/PE. Durante dois dias de apresentação, o público lotou o Teatro Capiba - Sesc Casa Amarela, conferindo ao espetáculo sete indicações ao Prêmio APACEPE de Teatro: Melhor Figurino, Melhor Iluminação, Melhor Trilha Sonora, Melhor Espetáculo Adulto, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Marina Duarte), vencendo o Prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante para Natascha Falcão.

Luas de Há Muito Sóis está pronto para seguir viagem e continuar a brincadeira de chamar nas portas dos mundos...

SINOPSE

Luas de Há Muito Sóis é livremente inspirado no conto “As Três Irmãs” de Mia Couto, o qual narra a história de Gilda, Flornela e Evelina, filhas do viúvo Rosaldo, que crescem isoladas do mundo como propriedades exclusivas do pai. Porém, tudo se desestrutura com a chegada de um jovem forasteiro... Em Luas de Há Muito Sóis, o conto se transmuda na jornada de três velhas irmãs que viajam num espaço-tempo encantado à procura das portas do mundo, metáfora poética para a busca que empreendem por si mesmas e por um destino mais amoroso. Juntas, retornam ao passado e revivem o conto como quem visita a própria memória para desvendar o íntimo de suas histórias. Três mulheres, três vultos de aves velhas, três agouros, três desejos, três irmãs juntas e desencontradas, Luas de Há Muito Sóis é um mergulho nas profundezas e imaginários fantásticos do universo feminino.

ENCENAÇÃO

Luas de Há Muito Sóis apresenta um texto inédito, fabuloso, carregado de símbolos, dizeres e crenças que transmitem o imaginário fantasioso da cultura ibérica no Nordeste brasileiro. A encenação de Luas de Há Muito Sóis tem um compromisso de cumplicidade com o espectador, um envolvimento que rompe com as fronteiras e limites estabelecidos entre as atrizes e o público, entre a cena formal e a poética do espaço em construção. A sonoridade é também partilhada, cada círculo de celebração tem a sua melodia, a sua música.

Luas de Há Muito Sóis é teatro de pesquisa, experimental em sua essência, que pretende atravessar o espectador, vasculhar também o seu íntimo. Um teatro que se mantém fiel à arte do encontro, da celebração, que prioriza tanto a poética, como a boa execução, a fim de se manter fiel às imagens e às contradições das personagens, tão humanas. Três irmãs, três meninas, três vultos de aves velhas, tríades de universos em três criações de mulheres, Luas de Há Muito Sóis, Evelina, Flornela e Gilda. De Tchecov a Lorca ou de Lourdes Ramalho a Mia Couto, deusas de carne e sonho, funambulistas do etéreo, guardiãs de costumes, culturas e identidades únicas, viajam nas dramaturgias tomando corpo e alma de personagens que se misturam com os segredos das raízes, com os céus e infernos, plenas de amores e ódios, conjugando nas contradições do seu ser a poética do desconhecido que se mostra na invisibilidade dos sentimentos.

FICHA TÉCNICA

Texto e Encenação: Moncho Rodriguez

Elenco: Marina Duarte (como Flornela)

Natascha Falcão (como Evelina)

Priscila Danny (como Gilda)

Musica original: Narciso Fernandes

Figurinos e Máscaras: Moncho Rodriguez

Confecção de figurinos: Marilia Martins

Confecção de objetos de cena: Guilherme Castro

(Portugal), Fabio Lobo (Rio de Janeiro)

Operação de Som: João Gilberto

Operação de Luz: Rodrigo Belay

Realização: Fafe Cidade das Arte & Papelão Produções

Produção: Palavra Z Produções Culturais

Espetáculo indicado para maiores de 12 anos.

MONCHO RODRIGUEZ - O DIRETOR

Diretor, encenador, dramaturgo, cenógrafo, figurinista, coordenador da plataforma Fafe Cidade das Artes (Portugal), Moncho Rodriguez já celebrou seus 40 anos de oficio teatral. Reconhecido pelo trabalho de criação e pelas pesquisas no universo do teatro ibérico na Espanha, em Portugal e no Brasil. Responsável pela

formação de muitos atores que hoje sobem aos palcos nos três países, recebeu diversos prêmios por seus trabalhos como encenador. Nomeado para o Shell e O Brasem por espetáculos como Caetana, Canastrões e Bartolomeus. No seu histórico constam mais de 200 encenações. Na plataforma Fafe Cidade das Artes,

acolhe em residências artísticas criadores e pesquisadores das novas linguagens cênicas do mundo ibérico. Promove intercambio e partilha de saberes, cria novos espetáculos com jovens atores e promove um circuito de itinerância na busca de novos públicos. Reverenciado em revistas e livros teatrais no Brasil e em Portugal,

propõe um teatro que vai da tradição ao contemporâneo. Um teatro de celebração entre o ator e o espectador. Um teatro da poética e da memória, do imaginário com identidade própria e universal.

MARINA DUARTE - ATRIZ

Nasceu em Recife, em 1990. Atriz- bailarina, palhaça e produtora cultural. Desde 2008, dedica-se à pesquisa e ao ofício de atuar tendo como foco as potencialidades do corpo e as manifestações poéticas do ser. Em sua trajetória, atuou em 7 espetáculos, 5 leituras dramatizadas e 1 curta metragem; ministrou oficinas; trabalhou como preparadora física e vocal; e integrou entre 2010 e 2014 a Duas Companhias de Teatro (Recife-PE). Atualmente, reside no Rio de Janeiro e cursa licenciatura em Dança

na Faculdade Angel Vianna.

 

NATASHA FALCÃO - ATRIZ

Nasceu na cidade do Recife, em 1986. Artista criadora, pesquisa o teatro e expressões artísticas desde 2006. Bailarina contemporânea - formada pela Escola Angel Vianna (RJ), é atriz, performer e clown, além de cantora no grupo popular-contemporâneo Pirarucu Psicodélico, junto a artistas do norte, nordeste e Rio de Janeiro.

PRISCILA DANNY - ATRIZ

Nasceu em Porto Alegre em 1983. Atriz, produtora e arte educadora. Trabalha em teatro desde a infância, tendo aprendido o ofício com seus pais, também artistas e produtores. Formou-se em Letras e fez mestrado em Estudos Literários (PUC-Rio). Integrou os grupos Omäme Teatro, Teatro Terceiro Vetor e Grupo Teatral Moitará (Rio de Janeiro). Dedica-se à pesquisa sobre treinamento e arte do ator, histórias pessoais e escrita nos processos de criação cênica.

GALERIA DE FOTOS

Créditos: Ana Carvalho

 

Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Crédito: Ana Carvalho
Crédito: Ana Carvalho
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom
Luas de há muito sóis
Luas de há muito sóis
press to zoom

Vídeo Teaser do espetáculo:

Crédito Ana Carvalho

IMPRENSA

Release
Críticas do Espetáculo
Clipping

TÉCNICA

Rider de Luz e Som

Mapa de Luz

Cenário